Skip to content

O RPG Está Morrendo?

outubro 22, 2012

RPG OLDSaudações pessoal! Peço desculpas a você leitor, que mesmo não comentando os posts, sempre está prestigiando este blog que há algum tempo não apresenta novidades sobre D&D ou RPG.

Aproveitando o recente cancelamento da RPGCon 2012, o maior evento do hobby no país, venho tocar num assunto que intriga rpgistas há anos: A Crise.

Parabenizo e apoio as editoras nacionais pelos lançamentos como o Old Dragon, os blogs e podcasts que sustentam notícias e materiais e aos organizadores de eventos em suas cidades.

Porém, não tem como negar: o RPG de mesa está morrendo!
A grande maioria dos jogadores atuais são da “velha guarda” e há pouco incentivo para a nova geração que está sendo mais atraída pelo lado virtual.

Ou seja, os videogames (MMO’s e cia.) estão matando o RPG de mesa como hobby.
Motivo: hoje em dia, a distância, a falta de tempo e a tecnologia prevalecem para que os jogadores fiquem em suas casas jogando online um jogo com lindos gráficos 3D.

Você é contra o lançamento de novas edições do seu RPG favorito? Vive questionando a existência de tantos livros inúteis como suplemento? Então, conte-me como você acha que a Wizards sobreviveria vendendo apenas UM Livro do Jogador de D&D que você jogaria com seu grupo por mais de 20, 30 anos?
Mas isso não quer dizer também que eu seja a favor de você comprar TODOS os livros para manter a empresa.
O RPG está morrendo, o D&D caiu na 4ª edição e agora vem aí a 5ªedição… será ela a salvadora? Ou será tarde demais?

Será que o nosso hobby está ficando velho? A tecnologia está ajudando ou atrapalhando o RPG?
Os RPGs virtuais estão atraindo a atenção geral?

O RPG está morrendo e não há nada que possa salvá-lo da noite para o dia.

Se você quer que um dia seus filhos e netos conheçam a magia que você já viveu matando dragões e salvando princesas com seus amigos; eu, você e todos os rpgistas, devemos divulgar o hobby!
Cada mestre que narra uma aventura e diverte os primos e vizinhos numa tarde chuvosa, já colabora para que no futuro, alguém ainda se lembre o que foi rolar dados sobre livros de papel.
Afinal, os dragões que derrotei na mesa foram muito mais temíveis e os lugares que visitei foram muito mais magníficos do que qualquer um que os gráficos mais atuais de um game possam reproduzir.

Faça sua parte! Ajude a salvar o RPG!
Reúna os velhos amigos, mesmo que por Skype e joguem uma partida!
Crie um blog na internet e poste suas aventuras passadas.
Ensine o RPG para seus novos amigos, mestre uma partida para eles.
Conhece amigos que também jogam? Crie grupos de jogo que se reúnem para jogar regularmente, talvez em lugar público.

RPG 4ever!

____________________________________________________________________

Mais Epic Kingdom:
Twitter@epickingdomrpg
Facebookid=100001429868718

Anúncios
13 Comentários leave one →
  1. outubro 22, 2012 9:24 pm

    De novo? O RPG está morrendo desde antes de eu começar e depois que parei de jogar… Acho que o Oscar Niemeyer vai ver o RPG morrer ainda. Não propague o mito.

  2. outubro 22, 2012 9:41 pm

    Achei um pouco precipitado o post. Sei que é uma opinião pessoal, mas acho que falta mais acompanhamento sobre o que está acontecendo no Brasil. Enfim, parece que nem foi no Moonfest.

  3. outubro 22, 2012 9:43 pm

    Gostei do post não. Sempre achei esse argumento de “os MMOs tão matando o RPG” muito sem fundamento. Até porque, dá pra dizer que os próprios MMOs tão em crise também, com o TOR bem abaixo das subscriptions esperadas e poucos outros jogos novos emplacando, barrados pela supremacia do WoW. Todo mundo gosta de jogar videogame, mas isso não substitui obrigatoriamente o RPG com os amigos. E isso eu digo por experiência própria.

    Eu até concordo com a parte de que o pessoal tá mais velho, mas achei engraçado que você não comentou como as vendas dos indies tem aumentado. Até o mainstream não tá essa coisa ruim toda não. Usar só D&D como termômetro de mercado é meio foda. Até porque, quando as vendas do dito cujo diminuíram, chegou o Pathfinder pra ser campeão de vendas.

    Os autores e as editoras estão cada vez mais acessíveis, e é cada vez mais fácil escrever e publicar seu cenário graças à internet. É mais fácil encontrar jogadores em sua cidade e jogar com pessoas de longe com Skype ou por plataformas com o RRPG.

    Sinceramente, acho que o RPG tá morrendo só pra quem quer.

  4. Alisson permalink
    outubro 22, 2012 10:16 pm

    KKkkkkk! Querendo chamar atenção com uma polêmica já debatida. Não caro amigo, não está momento, está em sua melhor fase. Mais e mais adeptos ingressam nos hobbies, dessa vez não guiados por “blockbusters” do RPG (D&D, Vampiro, etc) e sim pelos mini-eventos, reuniões, encontros que acontecem nas várias cidades desse imenso país. Editoras surgem com títulos maravilhosos. Aqui mesmo em minha cidade, Aracaju/SE o RPG está sem dúvida nenhuma em sua melhor fase, disparado.

  5. outubro 23, 2012 12:09 am

    Ai gente… desde que comecei a jogar RPG, 20 anos atrás quase, o RPG já estava morrendo. Sou muito grata de jogar Vampiro: A Máscara desde sua 1a edição, e agora estar vendo o lançamento das edições comemorativas de 20 anos. Inclusive, o Kickstarter da edição de luxo de Lobisomem: O Apocalipse já bateu sua meta em quase o dobro do necessário. Morrendo? Não, se transformando. Vamos por favor ser menos alarmistas e mais responsáveis se realmente queremos receber bem os novos jogadores, sem desanimá-los.

  6. Edu Trevisan permalink*
    outubro 23, 2012 1:57 am

    Esse assunto gerou muita polêmica! Obrigado a todos por comentarem. Esta é uma opinião pessoal mesmo devido a vários fatores que eu venho analisando como cada vez menos iniciantes, a rejeição da nova edição de D&D e Storytelling, o fechamento de todos os quiosques Terramédia e a Devir parando com os lançamentos traduzidos e cada vez mais falta de tempo, grupos se separando e jogadores viciados em MMO’s…

    • outubro 23, 2012 2:20 am

      Mas desde quando o RPG nacional é só a Devir ou a Terramédia? Desculpa mesmo Edu, mas isso nem é mais polêmico, é um tanto sensacionalista mesmo. Entendo que seja a sua opinião, mas eu tenho visto um cenário MUITO diferente…

  7. outubro 23, 2012 9:52 am

    -O D&D esta fraco, e faz tempo.
    Telling não chegou a ser o boom que foi teller, mas é algo dentro do aceitável.
    -Os antigos grandes centros do RPG nacional já não são mais o que eram antigamente, mas o RPG chegou a todos os centros e esta se propagando para lugares antes nunca jogados.
    -Os MMORPGs tiraram alguns jogadores do RPG, mas foi bem menos do que o trabalho e casamentos vem tirando em toda a história do RPG sem falar na difusão terminológica.
    -Não há incentivos a novos jogadores, mas ainda assim eu estou com 2 mesas só de novatos que começaram este ano.
    -As editoras atuais que ainda mantem o RPG são pequenas, mas elas juntas produzem bem mais e com maior qualidade do que as antigas grandes.

    Eu entendo que você esta preocupado com uma possível baixa no RPG. Mas alegar que o RPG esta morrendo é exagero cara. Tudo tem altos e baixos, o RPG também, não é o primeiro e não vai ser o ultimo. Siga seu próprio conselho e o RPG ai nunca vai morrer cara!

  8. outubro 26, 2012 2:49 am

    Gente ! Ainda existe esse papo de crise ?
    Não pode ser.

    RPGista que é RPGista sabe que o RPG não está morrendo e que NÃO ESTAMOS em crise.

    Volto a repetir que de uns tempos para cá nunca houve tanta iniciativa nacional quanto ao RPG e suas variáveis. Temos editoras lançando livros sem medo, algumas até disponibilizando material de graça em PDF, tudo pela a confiança que tem em seu material e publico alvo.

    Temos a Secular, a Retropunk, a Jambô, a Redbox e muitas outras voltadas para o nosso hobby.

    Se estivessemos em crise, teríamos UMA editora e olhe lá.

    E outra coisa… MMO não mata RPG de mesa.
    O publico que joga RPG de mesa pode vir a jogar MMO e continuar jogando seu RPG aos finais de semana normalmente.
    O publico que não joga RPG de mesa pode vir a jogar MMO e se esbarrar com algum grupo que joga e vir a participar da mesa.

    Onde está a baixa ?

    Meu mestre, o cara que me ensinou tudo que sei sobre RPG, passou a jogar WoW.
    Ele passa HORAS jogando. Mas quando dá a hora de narrar/jogar ele está lá, em ponto.
    E dois de nossa mesa vieram a partir dele, pois os encontrou no WoW e chamou para participar, e eles nunca haviam jogado.

    Entende como funciona as coisas ?

    Não há crise. Isso já foi desvendado.
    E se houvesse uma crise, não iria adiantar ficar falando sobre ela o tempo todo.
    Afinal, se quem pratica o hobby se coloca numa situação tão ruim, não creio que outros se estimulariam a começar a jogar.

    Poder a Todos !

  9. maio 21, 2014 11:29 pm

    Acompanho seu blog (gosto dele) não quer dizer que saio comentando.
    Um blog é acompanhado por acessos as matérias e não necessariamente a pessoas comentarem. Se eu fosse comentar em todos os blogs que leio, ficaria mais de 24 horas só comentando.

    Sei que esta postagem é de 2012 ( e estou a comentar em 21/05/2014).

    Tenho meus sobrinhos com idades entre 12~14 anos ( a minha sobrinha é a mais velha com 14 anos).
    No ano de 2013 durante os dias de feriado de carnaval eles ficaram aqui em casa, eles sabem que eu jogo com meus amigos um jogo chamado RPG, e eles (meus sobrinhos) ficavam fuçando e lendo meus livros de D&D 4E durante as sessões.
    Daí nestes dias de feriado eles pediram para eu jogar com eles, então jogamos uma aventura durante estes dias usando o D&D 4E (nota: eles nunca tinham jogando RPG na vida), a pirralhada pirou, amou, adorou !

    Desde então eles ficaram no meu pé, para que eu mestrasse para eles regularmente, e eu dizia que outro dia a gente joga (só enrolando a pirralhada).
    Daí, meu irmão, pai deles, perguntou porque eu não jogo com eles, kkkkk … a pirralhada foi apelar pro meu irmão para eu poder jogar com eles. Então, pensei comigo mesmo, e porque não ? porque não posso apoiar o hobby criando um nova geração de jogadores ? e além do mais isso teria um valor maior, pois teria uma ligação familiar com meus sobrinhos, um tempo para curtir eles ( minha família).

    Mas não queria ser tão otimista também, disse-lhes : – Vamos jogar uma aventura, vai durar somente algumas sessões, será uma sessão na semana, serão 6 horas de jogo (considero que 1 hora destas 6 horas são preenchidas com paradas para lanche/banheiro/etc, logo o tempo líquido de jogo fica numas 5 horas, que considero ideal).

    Escolhi o sistema de RPG do Mighty Blade criado pelo brasileiro Tiago Junges (mas tenho muitos sistemas de RPG aqui em casa, até mesmo a versão D&D da Caixa Preta da Grow, AD&D 2E, Old Dragon, Dungeonner, D&D 3E/4E, etc …).
    Conheço o Mighty Blade (MB) a muitos anos e joguei muito ele On Line pelo RRPG Firecast, considero ele um sistema simples, fácil, e intuitivo para ensinar novatos em gênero de Fantasia Medieval (mas depois que os jogadores são iniciados com o “leite” do MB, irei dar-lhes a “carne” de outros sistemas mais “complexos”).

    A aventura que mestrei rendeu, daí fomos para outra aventura, e decidi então jogar uma Campanha com eles, liguei as estórias das aventuras passadas de forma coerente, e essa Campanha com começo, meio e fim durou 8 meses, 1 sessão por semana, 32 semanas de jogo.
    Eles chegam aqui em casa antes da hora do jogo, e querem sair mais tarde, super empolgados eles.
    O MB possuí 10 níveis, e sou fã deste conceito de 10 níveis, pois evita Campanhas Inacabadas ( que frustam mestres e jogadores), quando jogo sistemas com mais de 10 níveis eu os condenso a ficarem com 10 níveis, por exemplo, o Old Dragon tem 20 níveis, então divido por 2 seus níveis, e cada 2 níveis vale 1 nível.

    Depois que terminei esta Campanha de 8 meses, comecei a mestrar aventuras isoladas com sistemas diferentes, 3 aventuras por sistema, para que meus sobrinhos passem a conhecerem o designer de outros sistemas e como o clima de jogo pode mudar dependendo do sistema ( não sou fã de um único sistema, mas tenho os meus prediletos). Depois que finalizar este ciclo de apresentação de sistemas, começarei uma outra Campanha (usando o limite de 10 níveis).

    O que quero dizer é que os jogadores antigos podem mestrar para novatos e criarem uma nova geração, só vim me aperceber disto ano passado, pois jogava só com os grupos antigos que já conhecia a anos.
    Aqui no Brasil vejo muitos jogadores antigos organizando sessões de demonstrações, como por exemplo o Tio Nitro.

    • Edu Trevisan permalink*
      maio 22, 2014 2:24 am

      Excelente Tio Mou! Sua história foi até emocionante!
      O Brasil… o mundo… precisa de mais pessoas como você! Sua parte já foi feita para a continuação do nosso hobby. Com ctza, essas ‘crianças’ jamais esquecerão dessa época jogando com vc… E no futuro, poderão nos substituir nesse mundo RPGístico… 🙂

  10. outubro 2, 2014 9:22 pm

    gostaria de participar mais ensinando o jogo aos novatos ,o problema as vezes é tiralos do conforto de suas casas e de arrumar tempo em suas corridas vidas,o pessoal quer jogar e tem bastante mestre na area querendo mestrar,acho q os fãs deviam falar mais em encontros e em redes sociais sobre como jogar de imediato.

Deixe o seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: